pintura

quinta-feira, maio 31, 2007






Vou ter que te deixar
agora
meu amor
tão perto da loucura!
que eu não sei
se foi assim
tudo o que inventei
e construi;

ou se foi de facto
ou ainda é
o Amor exacto


nov. 1999

Se eu enlouquecer fora de mim,
Leiam o meu cérebro.
Nele estará toda a lógica do meu ser:
nele estará o rio do teu olhar,
nele estará a vontade de te amar,
nele estarás todo inteiro á minha espera.
No amanhecer das minhas ilusões,
estaremos deitados de mãos dadas,
olhar-nos-emos nos corpos com carinho,
beijar-nos-emos nos lábios com ardor.

Toda uma lógica de vida,
meu amor.
Todo o meu existir assim vivido
nesta loucura de ser vida:
de me mascarar de sóbrios pensamentos,
para me esconder,
pensando em ti.

Maria João Franco


Sou a angústia
da angústia do que sou.
Sou a ânsia do que
quero por viver.
Sou o Amor do que quero,
e que não foi
do espaço entre o ser
e o não ser

6 de maio de 1997

sexta-feira, maio 18, 2007



XIII aniversário 2007



… nas sombras te encontro


AMIGO


e é como se aí não estivesses.


rasgas o som com teu grito


e o grito em mim vibra


como se eu aí estivesse.



Pura osmose:


como se o som e a cor estivessem


num universo onde não estou


e tu te encontras



MEMBRANA SEM LIMITE!



É esta sensação de espaço universal, de abertura total, de janela para o infinito, de sintonia vibrátil que encontro neste pouco, mas extraordinariamente enriquecedor tempo em que tenho vindo a trabalhar junto do Álvaro Lobato de Faria, pessoa inconfundível e insubstituível na sua capacidade de nos proporcionar uma grande sensação de energia criativa, de vontade de afirmação e de “ser” na nossa existência mais plena de artistas e de criadores.


O MAC nas pessoas de Álvaro Lobato de Faria e de Zeferino Silva, torna-se um lugar mágico, onde apetece que as” coisas” aconteçam.


E acontecem, pela força dinâmica de uma vontade comum, cada vez mais necessária nestas sociedades de concorrências selvagens em que as vontades não convergem de forma construtiva de modo a que possamos levar a bom termo os nossos projectos culturais e profissionais.


É nesta qualidade que encontro, encontramos no MAC, o desejo de fazer convergir esforços para a realização de todos os projectos culturais propostos, que reside toda a riqueza cultural deste espaço.


Como disse Álvaro Lobato de Faria há um ano “divulgar a arte é antes de mais um acto de cultura e uma missão de cidadania”



Maria João Franco


Maio de 2007

quinta-feira, maio 17, 2007

XIII aniversário 2007

sexta-feira, maio 11, 2007



Para "MULHER E EU"







A minha pintura não existe a partir de uma atitude perceptual ou reprodutora. A sua "fisiologia" advem de uma acção sistemática e dinâmica de reconstrução ou (e) reformulação do seu próprio objecto. Aqure forças e vectores que se interligam por ua forma quase auto biográfica.

A "forma "visual tem a forma do sentir ,do arrancar,do dissociar para reconstruir.

Essa dissociação constante,essa reavaliação persistente,essa dinâmica latente contem toda a poética da minha obra.

Cada imagem criada conterá já em si o potencial para a sua auto-reconstrução.

Isto é um processo mental que me ultrapassa na sua mecânica. Mas é assim e sistemático, não no acto do destruir para reconstruir dentro da mesma identidade, com o distanciamento necessário para a não repetição em acto contínuo, desconstextualizando-se para se igualar.


Não é uma história de repetições mecânicas de formas inventadas.
Assisto a uma "regeneração" constante e imanente de cada forma e de cada imagem objecto em si.

Não repetindo-se.mas prolongando-se em séries que se autodeterminampelo modo como são abordadas.

série "estórias...encontros"
2007

Ao libertarem-se das imagens primeiras,criam uma vida própria,inserta numa sintomatologia própria.

Ao atribuir título às séries estou a denotá-las com situações extremas, carentes de análise.









"mitologias "1,2,3






"Terra de Mitos










" Corpos Estranhos"



-"amanhecer da memória..."*
-"Terra de Mitos"**

-"Corpos Esranhos"

-"nós os nús e os outros objectos"***
-"lugar dos desencontros ou os sítios da memória"****
- "tu vens tão perto...que a distância existe"*****
-"Mulheu e EU"*****


são situações "alegóricas" a estados do sentimento de estar.


O fio condutor destas mensagens passam pela relação existencial entre mim e o mundo , ora inscrevendo-me nele como peça sujeita a todas as manipulações e as memórias percorridas pela sensação de ter estado, até á constatação efectiva da existência de um EU gerador e distanciado suficientemente da ideia para poder discernir.
ver texto*


"Mulher e EU" e "amanhecer da memória"são talvez pontas de iceberg que se desnudam a cada passagem das horas.



Fiz-me ao Mar

nua,

sem barco.


Fiz-me ao Mar

nua,

sem velas,


fiz das estrelas


caravelas


para nelas navegar...
____________
texto* publicado
Casa e Jardim 255 _a propósito de_ "CORPOS ESTRANHOS"1999/Galeria TREMA
E aqui, Maria João Franco,"fala-nos" um pouco por séries como,
por exemplo, da condição humana,através da queda de todos
os desencantos.
"Silêncio de Organa","Nós os outros" e "Corpos Estranhos"
são pois algumas designaçãoes soltas, embora inscritas
no mesmo tipo de discurso e de relação com a identidade das obras expostas.
Assim, de desenho em desenho, de pintura em pintura, os corpos
ou dormem em nome de Deus,
ou estão simplesmente mortos,
mutilados,
gritando sem voz a sua derradeira nudez...`
É gente privada de rostos, por vezes das mãos, e dos pés,
no acaso do destino ou de um enquadramento oprssivo.
A luz, por seu turno, chega a essas massas de matéria orgânica,
submersa no anonimato...
E também não se sabe como tal acontece,
nem como os fragmentos desse mundo antropomórfico,
a fazer emergir do abismo apenas os volumes individuais que resultaram
do último alento,
do último gesto de amor,
da última ilusão...
Junho,1999