pintura

quarta-feira, maio 07, 2008

MAC_Inauguração de "tu não aconteces,quando eu te quero"

Inaugurou no dia 6 de Maio de 2008 no
MAC-Movimento Arte Contemporânea
a exposição
"tu não aconteces, quando eu te quero"


Pintora Maria João Franco

Dr.Álvaro Lobato de Faria,Director coordenador do MAC


Pintora Luisa Nogueira e Escultor João Duarte

Escultora Ana Bernacchi e Dr. Álvaro Lobato de Faria

Mstre Hilário Teixeira Lopes

:::::::::::::::::::::::::::::

Planeta dos Macacos

tecn.mista s/tela

100.150cm

2008

-------------

O motim

tecn.mista s/tela

147.100cm

2008

--------

Navegantes do Silêncio

tecn.mista s/tela

56.205cm

2008

-------------
A mostra estará patente até 30 de Maio de 2008
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

6 comentários:

Anónimo disse...

Ao ler estas imagens, Maria João,regredi ao passado dos meus 15 anos... Agora, com 46, continuo...
Parabéns!



O FIM
Agarro-me ao véu negro que me cerca
Desprendo a corda cercante da vida
Longa e penosa
Sem equilíbrio vou caindo no abismo
Que toda a vida tem
Pisando em falso
Olhando o chão negro que à minha frente se rasga em lâminas cortantes
Vou caminhando sozinha à procura de alguém
Salvador!!!
… Penoso fim que à minha frente enxergo
O meu destino? não sei,
Mas
é quase certo
Que a balança onde eu antes vivia equilibrada
Oscile
Projectando-me no chão duro
Que receberá o meu corpo
Já marcado pelo sofrimento.

14 Julho 1977 (15 anos)

Alzira Lima de Jesus (Castro Pinto)

Anónimo disse...

Sou Alzira Lima, e me confesso: que dor esta de não ser capaz de brilhar as minhas palvras com imagem? Que pincel não se agarra em minha mão?
10 Maio 2008

«AQUI JAZ»?

Diligente emoção deslindando a face da morte (tal sorte?)
Nascemos intensamente para o momento último…
. (ponto final)
O de repente que espera e apela à carta dispersa do baralho
? (examinamo-nos?)
Rainha que se esforça mas não vale
Valete que derrete
Rei. Instante repentino que
repetidamente de repente participa nos segundos que rodamos.

(Quotidiano clareado…aammaannhhãã?)

Tonta de palavras e embriagada de emoções
Concedo-me a ti,
(que já não me quero,)
E escorro-me ao mar (caudal atolado).

(Pensamos que não teria fim, aquele princípio…)

Infinito que nunca cuidei nesses riscos manchados:
hálito do espinho.
Terra vermelha e fatal
Que nos engole
E nos desfere o golpe urgente: caules putrificados.

(…) Quem somos? Quando fomos? Quem nos cancelou? (…)

Letras que me escrevia no granito que nos sorria,
Legendas que me editavas!
Rédea que marca a hora na hora em que germinados,
iludimos o momento. Inscrevemos.
(Hiato de pouco tempo). Rir. Abalar.

Cogito em como te confiar a eternidade ultimada!
Ausência compensada pela presença do nada!
(E sucumbir...tu…eu…)

Esforço… deixamos de ser…e expiramos.
E foi tudo tão de repente,
Que ninguém se velou a chorar.

Acasalamo-nos na floresta ardida
E cada um ergueu a lápide do outro.
Incompleta e imperfeita Sem qualquer caligrafia
(Terra fria, e fria, e fria.)

Quem ficou para ler:
«Aqui jaz»?

Alzira Lima de Jesus Castro Pinto

ANA BERNACCHI disse...

ADOREI
Trabalho forte e leve, com tonalidades etéreas, e cheias de emoção. Não pode deixar de ser vista, essa produção de competência e virtuosismo.
PARABÉNS
ANA BERNACCHI - BRASIL

João Abreu disse...

Querida Maria João Franco, antes de mais nada, os meus mais profundos Agradecimentos por tanto! Parabéns Mestre!... Bem haja
por tudo que faz pelas Artes Plásticas do seu País! Parabéns ao MAC na pessoa do nosso Patrono Prof Dr Álvaro Lobato de Faria e Eng Zeferino. Parabéns a todos qts integram o MAC. A Mestre mais uma vez gratificou uma Nação com uma exposição onde assentam os valores Plásticos arrancados da Alma, cozinhados num Conhecimento Filosófico e Cultural da observação e, técnica plástica ímpar. Não não Maria João, não exagero não. Das Obras que me foi grato observar e que fez o favor de me honrar enviando-me via net, fiquei estático e em silêncio. Colhi delas toda a conduta num percurso elevadíssimo para que se torne Evolução e Crescimento até se atingir o imparável. O encontro ou pelo menos o roçar do corpo com o espirito. Uma Obra da Maria João Franco é esse Percurso. Obrigado por tanto me dar. E é nessa Nobre Humildade que se recebe por tanto entregar ao Conhecimento e Estudo da coorelacção do Existir!... Um beijo de gratidão do João Abreu

Anónimo disse...

Querida Maria João, estou aqui, ainda enlevada pela beleza da tua pintura e o encanto do poema que está no Press release.
Tocou-me a alma.
Parabéns pelo merecido sucesso.
Estás sempre no meu coração.

Shirley
UNIGRANRIO, Rio de Janeiro-Brasil

Mammy Lesas disse...

Já lá fui espreitar com a família e ficámos todos rendidos! Até a pequenina Ema bateu palminhas!
Parabéns uma vez mais.
Filipa Faria