pintura

quarta-feira, dezembro 03, 2008

domingo, novembro 16, 2008

quinta-feira, outubro 30, 2008

Cosmos#1


"cosmos" atelier

"cosmos" pormenor

segunda-feira, outubro 13, 2008

novas estórias do fundo do mar



"novas estórias do fundo do mar"#
acrílico s/tela
81.100cm
2008


"novas estórias do fundo do mar"#
pormenor

quinta-feira, outubro 02, 2008

Ophelia


"ophelia"
tecn.mista s/tela
80x120cm
2008

quarta-feira, setembro 24, 2008

Maria João Franco "Mulher e Eu"/Cartaz das Artes

Entrevista a propósito da exposição
MULHER E EU
MAC-Movimento Arte Contemporânea
Lisboa
Cartaz das Artes TVI
pela jornalista
Filipa Faria


maria joao franco pintura part. 1/2



maria joao franco pintura part. 2/2

Entrevistas/Cartaz das Artes TVI


Cartaz das Artes/TVI


Entrevista a propósito da exposição


"Mulher e Eu"/Maria João Franco


pela jornalista Filipa Faria


Abril/2006 * Mac-Movimento Arte Contemporânea


(parte II)



sexta-feira, setembro 19, 2008

A vingança

"a vingança"
tecn mista s/tela
160x60cm
2008

foto:Maria João Franco/atelier/set 2008


sexta-feira, setembro 12, 2008

Um beijo de saudade


"um beijo de saudade"
tecn.mista s/tela
2008
"um beijo de saudade"
pintura digital
2008

quarta-feira, setembro 10, 2008

Tu Poeta

Tu Poeta
Revolve o ventre da
Terra
que te pariu.

No limiar do infinito,
Finito é o som.

E nós
os mudos
porque nos querem surdos
queremos ter a força do vulcão
que solta as almas
e os ventres famintos de gente.

Maria João Franco
2005

domingo, agosto 10, 2008

sexta-feira, agosto 08, 2008

sexta-feira, agosto 01, 2008

não ,não posso...


Não,
não posso separar-me de ti
por esta mesma e única razão que me é constante.

Marés do sal e do sol,
memórias de sol em cada som.
Brisas de rua húmida de sabor a gente.

Não, não posso sair de ti.

Luar de mares e marés por onde nos esquecemos.
O mar não esquece dos naufragados
os pedaços do amor em cada cais ausentes.

Maria João Franco
1 de Agosto de 2008

terça-feira, julho 29, 2008

segunda-feira, julho 28, 2008

terça-feira, julho 22, 2008

domingo, julho 06, 2008

Prémio MAC'2008Pintura;Prémio MAC'2008 Prestígio

No dia 1 de julho de 2008 a Pintora Maria João Franco foi uma vez mais premiada duplamente pelo MAC-Movimento Arte Contemporânea,no seu 14º aniversário, pela sua qualidade como artista plástica e como grande dinamizadora cultural junto daquela galeria.

Prémio MAC'2008Pintura;Prémio MAC'2008 Prestígio

quinta-feira, junho 26, 2008

quarta-feira, junho 25, 2008

Na imprensa estrangeira

Contemporary Portuguese Artists:


MARIA JOAO FRANCO


During her 40 years of career, Maria João Franco has become an intransigent pursuer of interior truth and liberty, being an artist in constant changing yet managing to remain true to herself.Maria João Franco marks the contour, captures the movement, turns into reality an idea, within a pictorial imagery which gained her a noteworthy place in the Portuguese Fine Arts.Her art is deeply connected with the body, be it either the human body or the body of things.There is a warm and tender involvement in her paintings which figurates our condition, and which confers harmony and beauty to the triviality of the ordinary life.Her painting, in which rhythm is a stylistic element, declares the autonomy of colour, of utmost importance.It is a painting of immediate gesture, of capture of space, of the vanity of existing, by restoring the lost childhood and creating a new way in which we look at things.


Maria João Franco’s art is extremely sensitive to the fluidity of the languages of the forms, to the strong materiality of the colour, to the force and charm of its evasion and its ecstasy. It is a fascinating and wonderful journey, both spiritual as well as technical.


Therefore, her works are the materialization of feelings of longing, dreams, and became important notes in the Contemporary Portuguese Painting.


The devotion and commitment of Maria João Franco reveal to us the definite fact that we stand in the presence of a great painter, an excellent artist, recognised as such not only in Portugal, but also abroad.




Flowers of Mould


By Bianca Andreea Marin




And the will therein lieth, which dieth not.


Who knoweth the mysteries of the will, with its vigor? For God is but a great will pervading all things by nature of its intentness. Man doth not yield himself to the angels, nor unto death utterly, save only through the weakness of his feeble will.Joseph GlanvillCharles Baudelaire once said that art has the miraculous privilege to turn ugliness into beauty, and that pain, when rhythmic and cadenced, fills the spirit with a quiet joy.When verses turn into colours, ideas into textures, feelings into substances we enter an eerie world where poetry meets painting, birth meets death, love meets pain and flowers meet mould. It is the strange and delicate world of a painter, Maria João Franco, a poetess of the canvas. I would dare say that she does not paint, she writes verses using colours, forms and shades, light and darkness instead of words.What is a word? It is an instrument by means of which we send a message, convey a feeling. If this definition is accurate, then her paintings are letterless words, because they overwhelmingly transmit feelings and emotions.Her works are a confession of hopes, dreams, failures and sins expressed by plastic metaphors, chromatic epithets, where the immateriality of all the most important things (love, despair, sadness, tragedy) embraces the cloak of the flesh until they lie, exposed, strip naked on the canvas, bleeding like a baby first ripped out of her mother’s womb. They tremble, amazed at their own existence, at their own life. The painful, tragic, screaming moment of birth that also seals our doom. It is difficult to look at them, at human emotions and fears. How would we live if our feelings materialized in front of us? This seems to be the questions that Maria João Franco boldly asks. We would not be able to hide from them, nor to force them out of our mind. It would be our most terrible tragedy, as human beings, to be forced to look at our materialized, touchable emotions, at our utmost secrets and thoughts. Nobody would survive the screaming sincerity of facing ourselves and the world would turn into a desolated sanatorium with people trying to escape from themselves.Have you ever had a dream whose powerful image haunted you the day after? Imagine living each and every day under the constant assault, a material, colourful, loud siege of not one, but all of your desires, dreams, fears, anger. Even love would become a burden, as true love generally is so hard to bear.When we look at one of Maria João´s paintings, our faces unconsciously make a grin, and our eyes seem to want to turn away, but at the same time they are drawn to them as if hypnotised. It is because we all recognise parts of ourselves in them, and usually there are the parts that we mostly like to hide: fear of death, horror of putrefaction, lost of faith, the never-ending questions of the man seeking Immortality, unwilling to give in to the decay of the body and the claws of death.What if we should look of them in the eyes? What if the key to ending the pain is embracing it, facing it? What if the only way to conquer death is by accepting it? What if the only way to love is to let ourselves be consumed by it?I am drawn to these paintings in the same way as I am drawn to the poetry of Baudelaire, Arghezi or Blaga. Baudelaire’s Fleurs du Mal attempts to extract beauty from the malignant. Unlike traditional poetry that relied on the serene beauty of the natural world to convey emotions, Baudelaire thought that beauty could evolve on its own, irrespective of nature and even fuelled by sin. The result is a clear opposition between two worlds, "spleen" and the "ideal." Spleen signifies everything that is wrong with the world: death, despair, solitude, murder, and disease. In contrast, the ideal represents a transcendence over the harsh reality of spleen, where love is possible and the senses are united in ecstasy.Just as in Baudelaire’s verses, Maria Joõa Franco is endlessly confronted with the fear of death, the failure of her will, and the suffocation of her spirit.One of the most amazing similarities lie in the comparison of Baudelaire’s poems “The Cat” (inspired by Edgar Allen Poe's Tales of Mystery and Imagination, where he saw Poe's use of fantasy as a way of emphasizing the mystery and tragedy of human existence) and Maria João Franco’s painting “The Dog”.
In two separate poems both entitled "The Cat," the poet is horrified to see the eyes of his lover in a black cat whose chilling stare, "profound and cold, cuts and cracks like a sword."( “Je vois avec étonnement/ Le feu de ses prunelles pâles,/ Clairs fanaux, vivantes opales/Qui me contemplent fixement).In “The Dog” the same terror is provoked by the big, stout dog with his face directed to a river of blood, and one can easily distinguished the form of a human face appearing in the place of the dog’s head. It is as if Baudelaire’s verses came to life in images, it is sheer Baudelaire poetry on canvas.Moreover in “The Laying woman”(Deitada) a feminine figure seems to be sleeping or laying dead, her body torn into hundreds of little atoms, reduced to small dispersed fragments, traces of paint flowing from her like drops of water. It is yet another example of how beauty can reside even in the most horrible moments. The image created by the irregularity of the forms and the play of the splashes of paint is so beautiful that it seems as if flowers were growing out of her decaying body, the fertilizing territory of human flesh. Flowers of putrefaction, flowers of mould, the Romanian poet Tudor Arghezi would say. Maria João Franco makes caresses out of open wounds, “out of furuncles moulds and mud” (Tudor Arghezi, Testament) she creates “new beauties and treasures” (Tudor Arghezi, Testament)Maria João Franco is not obsessed with the ugliness or the pain. She accepts all the aspects of humanity, even the most infamous, because, as I said before, this may be the only way to extinguish them. The objective of her paintings is not to shock, but to heal. Her love for the human being is such, that its physical decay hurts her to the extent of endlessly trying to conquer it. It is a painful, deep love for the transient human body in all its circumstances, even in death. We can hear Maria Jiao Franco’s voice speaking to us through the words of poet Lucian Blaga in his poetic statement “I will not crush the world’s corolla of Wonders”: “I enrich the darkening horizon with chills of the great secret. All that is hard to know becomes a greater riddle under my very eyes because I love alike flowers, lips, eyes, and graves”.In order to understand a painting we should look at it with eyes of a poet. It is easy to recognized fragments of Maria Jiao Franco’s paintings in the verses of a poem. I tried to present here her paintings as seen through the verses of three poets that explain them better than any critical essay. There are no boundaries in art, and it would be no wonder if some day a poet would inspire himself from one of Maria João Paintings to create his poetry.


“Un matin nous partons,
le cerveau plein de flamme,
Le coeur gros de rancune et de désirs amers,
Et nous allons, suivant le rythme de la lame,
Berçant notre infini sur le fini des mers.”

sexta-feira, junho 20, 2008

quinta-feira, junho 05, 2008

Lições de vida

Uma semana de internamento.
Uma intervenção cirúrgica. Acordar de novo .
Ter adormecido na angústia maior de não saber do resto da vida.
Passos apressados.
Acorde , já foi operada!
Nem vi, nem estive...
Assisti depois a lições de vida .
Sobreviventes de espaços perdidos, sobras de vida, desesperos contidos.
Estar em cada espaço, em cada tempo com a consciência aberta para uma fraternidade maior.
Lugares fatais.
Lições de vida!

quinta-feira, maio 29, 2008

Tenho que dormir

Tenho que dormir,
Que o mal está feito.

De dia em dia caminho devagar
Que o sol é longe.

O fogo corre tão devagar
que as cinzas o apagam antes do destino.

Maria João Franco
29 de Maio de 2008

terça-feira, maio 27, 2008

sexta-feira, maio 23, 2008

quarta-feira, maio 21, 2008

::corpos de silêncio

"corpos de silêncio"
2008

:: deste cais em que naufraguei...

"deste cais em que naufraguei"
2008

terça-feira, maio 20, 2008

"tu não aconteces quando eu te quero"


Vai estar patente nos dois espaços
MAC-Movimento Arte Contemporânea
a exposição
"tu não aconteces quando eu te quero"

de Maria João Franco


até ao dia 30 de Maio de 2008


Rua do Sol ao Rato 9C Lisboa

tel/fax::213850789
tm::962670532

Av. Álvares Cabral 58/60 Lisboa

tel::213867215
tm::962670532


aberto de segunda a sexta das 13h às 20h
sábado das 15h às 19h
Domingos por marcação tm 962670532

Vou ter que te deixar agora...


Vou ter que te deixar agora meu amor
tão perto da loucura
que não sei
se tudo aquilo que sinto
por mim foi inventado,
ou
se afinal
tudo foi
para mim
aquilo que inventei.

Maria João Franco

quarta-feira, maio 07, 2008

MAC_Inauguração de "tu não aconteces,quando eu te quero"

Inaugurou no dia 6 de Maio de 2008 no
MAC-Movimento Arte Contemporânea
a exposição
"tu não aconteces, quando eu te quero"


Pintora Maria João Franco

Dr.Álvaro Lobato de Faria,Director coordenador do MAC


Pintora Luisa Nogueira e Escultor João Duarte

Escultora Ana Bernacchi e Dr. Álvaro Lobato de Faria

Mstre Hilário Teixeira Lopes

:::::::::::::::::::::::::::::

Planeta dos Macacos

tecn.mista s/tela

100.150cm

2008

-------------

O motim

tecn.mista s/tela

147.100cm

2008

--------

Navegantes do Silêncio

tecn.mista s/tela

56.205cm

2008

-------------
A mostra estará patente até 30 de Maio de 2008
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

sábado, maio 03, 2008

"tu não aconteces, quando eu te quero"


MARIA JOÃO FRANCO – PINTORA E POETA "TU NÃO ACONTECES, QUANDO EU TE QUERO"
Quando a olhamos pela primeira vez, apercebemo-nos de imediato que estamos perante uma alma feminina marcada. Não de uma forma azeda, como tantas mulheres que se afundam nas suas impotências ou incapacidades, mas de uma forma profunda e reflexiva, de uma forma emotiva, humana e silenciosa.Maria João Franco, esteve recentemente nos Açores, e o seu encanto foi imediato, brevemente irá voltar para cá expor. Ao contrário da maioria dos artistas, tem o dom da palavra e o seu tom de voz grave funciona como um fio condutor, que transporta cada uma das suas palavras, ao local do córtex devido. Porquê essa diferença acentuada em relação à maioria dos artistas plásticos? Resposta enganadoramente simples – trata-se duma pintora poetisa.A sua exposição “Tu Não Aconteces, Quando Eu Te Quero” está patente no Museu da Água é, como não poderia deixar de ser um misto líquido entre a poesia e a pintura –“tu não aconteces, quando eu te quero,Não falas ainda, quando eu te escuto,Tu não dizes, quando eu te encontro,Tempos passados de saber sentido,Tempos esquecidos de saber sofridoNão sabes ainda quanto eu te entendo”“Ao longo de quarenta anos de carreira, Maria João Franco tem vindo a ser uma intransigente pesquisadora de verdades e de liberdades interiores, não cessando de se transformar, mantendo-se, no essencial, fiel a si mesma.” Quem o diz é Álvaro Lobato de Faria, director do MAC – Movimento de Arte Contemporânea ao qual a artista aderiu em 2006, com a exposição “Mulher e Eu”, tendo na altura lhe sido atribuído por este Movimento o Prémio Carreira “MAC´2006”.Iniciou-se a “sério” nas artes plásticas muito cedo, com 15 anos já frequentava cursos de Artes plásticas. Muito influenciada por uma família cujo universo considera “mágico”, com enfoque especial em seu pai – Miguel Franco – reconhecidamente um dos dramaturgos mais importantes da década de setenta em Portugal, pela natureza histórica da sua obra que se confronta então com o espírito do “regime”, e pelo seu marido, Nelson Dias, Professor de Desenho e de Pintura da Escola de Belas Artes de Lisboa, artista que deixou uma inestimável obra de qualidade plástica e uma outra criação na área da banda desenhada, que faz igualmente parte da história de Portugal de Banda Desenhada, também relativa à década de setenta. Dois homens que a marcaram profundamente, quer no plano afectivo, no espaço que naturalmente cada um ocupa, quer no seu desempenho artístico, quer na sua consciência social e postura perante a vida e a morte. E como o sofrimento é o alimento do artista, cada título de cada exposição de Maria João Franco é em si, arte: “A Terra dos Mitos”“ O amanhecer da memória”, “Um olhar de Pele”, "Estórias do Corpo"."Tempo de o Senso e o Ser " “Lírica do nu entre Sombras”, "tu vens tão perto...que a distância existe" e poderíamos continuar, porque as exposições foram muitas, estando certos porém que com apenas os seus títulos temáticos, este texto se embelezaria.“amo-tee os fumos do último atentado ainda não aconteceramamo-tee a luz que nos iluminanão nasceu aindaamo-te, amo-teé a chave do esconderijodos meus sonhose a palavraa senhapara entrar de novono meu canto de hinode novoa alegria.”Esta sua notável sensibilidade, realça uma honestidade nas palavras a que não podemos ser indiferentes. É com a mesma honestidade e frontalidade que fala sobre aqueles que considera “ graves problemas” que afectam a cultura Portuguesa e mais particularmente as artes plásticas. “Um dos maiores problemas que os artistas têm que enfrentar são os “lobbys” das galerias. “A maioria das galerias está exclusivamente vocacionada para vender quadros, e só por esse prisma enaltecem e promovem os ´seus` artistas. Fecham o círculo, apertando-o em torno de um número reduzido de pessoas, algumas efectivamente com qualidade, outras talvez nem tanto, mas assim, fecham-se portas e veta-se à ignorância artistas importantes, por vezes geniais, porque não se encaixam nesse circuito, ou porque estão demasiado embrenhados a produzir obras, ou porque simplesmente não se encaixam”. E continua – isto é muito grave, porque à sombra desta mecânica se vetam ao desconhecimento valores emergentes, mas também ao esquecimento valores reconhecidos e inequivocamente valiosos para a identidade cultural deste povo.”Esta frontalidade, como anteriormente demos a entender nasce com a sua convivência familiar. Tal como se lê na sua biografia -“Uma forte ligação triangular "Miguel Franco - Maria João Franco - Nelson Dias " desencadeia no espírito ainda jovem de Maria João Franco o seu sentido de busca, de procura e de pesquisa.Fortemente marcada pelo "expressionismo abstracto" Maria João Franco segue na senda de Nelson Dias a tendência expressionista quer na abstracção, quer na sua passagem para a figuração.Sentindo como fortes expoentes da pintura portuguesa Rocha de Sousa, Gil Teixeira Lopes, Artur Bual, Luís Dourdil, Júlio Pomar, Resende bebe neles a influência tendo em mira o extravasar de uma pintura de emoções contidas num expressionismo lírico de uma sensualidade quase "aquática" ou meramente fluida que adquire os tons da tragédia atlântica nas suas vagas de tombar profundo.A gravura é outra das suas paixões. Mas a esse respeito, a várias vezes premiada (em 1987 o 1º Prémio de Gravura no concurso de gravura integrado nas comemorações do Ano Internacional do Ambiente Setúbal/Beauvais. Ainda em 97 tem o Prémio de Edição na "IV Exposição Nacional de Gravura" Cooperativa de Gravadores Portugueses / Fundação Calouste Gulbenkian – Lisboa) Maria João Franco denuncia a desvalorização e a recusa da maioria das Galerias em aceitar expor gravuras. “A razão prende-se com o facto da gravura ser mais acessível no preço em relação à pintura a óleo, acrílico ou qualquer outro material. A maioria das galerias teme que o mercado se habitue a adquirir gravuras em detrimento das outras obras que obviamente são mais proveitosas do ponto de vista financeiro.”Contudo, esta artista plástica reconhece não ser este o único problema “a reprodução indevida, em série de gravuras – uma desonestidade – transformam as obras em algo que não era suposto – um produto reproduzível e logo menos valioso. Quando se produz gravuras, as chapas devem ser eliminadas – isso nem sempre acontece.”Quanto ao estado mais geral da cultura em Portugal, é clara a sua posição “ sem cultura não há identidade, e é frágil o apoio, o reconhecimento dos artistas plásticos, e não só, neste país. Muitos, passaram grandes dificuldades, mesmo aqueles que viram o seu talento reconhecido. O que é uma injustiça dolorosa.”Recapitulando – a dor alimenta a alma do artistaA Mãe”Estou triste. O sofrimento enegrece-me a alma. Se eu o pudesse abraçar e passar para mim um pouco de tanta tortura. Como o amor de mãe pode tornar-se em tanta angústia. Já foi. A leveza da criança loira a correr pelo jardim. Já foi o calor morno do colo da mãe. Ainda Maio. E a morte ronda a Mãe. O colo já não é morno. O peito já não é terno. A mãe morre devagar e ainda é Maio e o meu amigo sofre. Quanto do amor, quanto da ternura quanto das memórias lhe guarda o corpo. E ainda é Maio...” Maria João Franco
entrevista por Margarida Neves Pereira para Açoriano Oriental